24 maio 2013

Drogas y sus poderes, Maconha



No post  dessa semana da serie iremos falar sobre essa droga devastadora que e a maconha. 


"O professor da escola que frequentei fumava três ou quatro cigarros de maconha por dia. Ele fez com que muitos estudantes começassem a fumar também, inclusive eu. O cara que fornecia pra ele me levou a consumir heroína, e eu nem resisti. Naquela hora, era como se a minha consciência já estivesse morta". — Monique


A planta

Planta herbácea de clima quente e úmido, originária da Índia, a maconha (Cannabis sativa) pertence à família Moraceae e pode atingir até 5 metros de altura. Possui folhas digitadas e flores pequenas, amarelas e sem perfume. É uma planta dioica que apresenta talos com flores femininas e talos com flores masculinas. O fato de a planta possuir talos com flores diferentes influencia na colheita, pois as flores masculinas endurecem mais rápido, morrendo após a floração, enquanto que as inflorescências femininas permanecem com uma cor verde-escura até um mês após a floração, quando as sementes amadurecem.  
Os primeiros relatos dessa erva no Brasil datam do século XVIII quando era usada para a produção de fibras chamadas de cânhamos. Tais fibras eram obtidas por meio de vários processos, incluindo desfolhamento, secagem, esmagamento e agitação que separam as fibras da madeira.


Efeitos em curto e longo prazo

Depois de consumir a cannabis, a pessoa pode apresentar alguns efeitos físicos, como memória prejudicada, confusão entre passado, presente e futuro, sentidos aguçados, mas com pouco equilíbrio e força muscular, perda da coordenação, aumento dos batimentos cardíacos, percepção distorcida, ansiedade, olhos avermelhados por causa da dilatação dos vasos sanguíneos oculares, boca seca e dificuldade com pensamentos e solução de problemas.
As pessoas que fumam maconha também estão suscetíveis aos mesmos problemas das pessoas que fumam tabaco, como asma, enfisema pulmonar, bronquite e câncer.


Dependência

Afinal, a maconha causa ou não dependência?
Muitos estudos estão sendo feitos a respeito desse assunto, mas ainda não se sabe ao certo se a maconha causa ou não a dependência. Por causa da dificuldade de se quantificar a maconha que atinge a corrente sanguínea, não há doses formais de THC que causam dependência. Acredita-se que a dependência aumenta conforme o período do uso.
Estudos mostram que alguns usuários que fazem uso da maconha diariamente não desenvolvem o vício, enquanto outros podem desenvolver uma síndrome de uso compulsivo semelhante à dependência de outras drogas.
Não é possível ainda determinar a natureza dos sintomas de abstinência da maconha.
De acordo com a Agência Americana de Combate às Drogas, o consumo prolongado de maconha pode causar danos aos pulmões e ao sistema reprodutivo.
informaçoes tirados do site Brasil escola


drogas-depoimentos.jpgDepoimentos tirados do site da revista veja.Especialistas alertam: o primeiro contato dos jovens com as drogas pode ser dar na escola ou com amigos da mesma turma. Confira a seguir depoimentos de alunos e ex-alunos de três colégios de classe média e classe média alta de São Paulo: eles contam como entraram em contato com as drogas no interior das escolas e relatam até episódios de tráfico dentro dessas instituições. Os jovens só concordaram em falar com a condição de que seus nomes e os das escolas onde estudam ou estudaram fossem preservados.



"Eu tinha 15 anos quando fumei maconha pela primeira vez. Estava curioso para experimentar e resolvi conversar com um amigo para fumarmos juntos. Eu não sabia nem tragar, e ele teve que me explicar tudo. O lança perfume e a maconha eram as drogas mais comuns entre as pessoas do meu colégio, mas eu nunca fumei dentro da escola: eu e meus amigos saíamos nos intervalos de almoço para fumar em uma praça próxima e depois voltávamos para assistir às aulas da tarde. Dentro da escola, a passagem da droga acontecia sempre antes da aula de educação física, quando os alunos estavam trocando de roupa. Era tudo muito rápido: um cara da minha sala anotava os pedidos e pegava o dinheiro dos interessados para, alguns dias depois, trazer a droga para a gente no banheiro".
Lucas, 22 anos, ex-aluno



"Até o início deste ano, eu fumava maconha e cigarro periodicamente, mas parei. Hoje, mais da metade da minha classe usa drogas, desde bebidas alcoólicas até maconha. Geralmente, as pessoas não costumam usar drogas dentro da escola, mas no portão o pessoal já fuma cigarro normalmente. No ano passado, houve um caso de três ou quatro alunos que beberam vodka dentro da sala de aula da oitava série e foram suspensos. Também aconteceu de um cheiro forte de maconha subir do banheiro, mas não descobriram quem tinha fumado. Já soube que rolava tráfico de maconha dentro da escola, mas ninguém nunca foi pego, e teve um ano em que a comissão de formatura arrecadava dinheiro especialmente para comprar maconha para a viagem de final de ano".


Beatriz, 16 anos, estudante do segundo ano do ensino médio


                                                                                                             Vinicius Colini e Lina Aguiar

Nenhum comentário:

Postar um comentário